Google+ Badge

sábado, 1 de dezembro de 2012

sábado, 17 de novembro de 2012

A SEXUALIDADE PREMATURA





A Sexualidade Prematura




As influências do meio na
formação sexual das crianças e   
adolescentes







                                    JOSÉ LOPES DE OLIVEIRA

1  INTRODUÇÃO
Uma educação com falta de informações corretas e pouca intimidade com o nosso próprio corpo, acaba por transformar a sexualidade em tabu; geralmente impregnado de preconceitos, medos e dúvidas.
Porém a sexualidade relaciona-se ao ser sexual, ao prazer, amor à vida. Ela não se restringe apenas no ato sexual.
2  JUSTIFICATIVA
É cada vez mais prematura a iniciação sexual, a banalidade, a busca constante  pelo prazer, a descoberta do seu próprio corpo.
O sexo é que gera o mundo, pois sem ele não existiríamos. A sexualidade está na essência dos seres vivos, mas os seres humanos passaram a ver apenas um aspecto do seu corpo: o sexual, sem levar em conta, a inteligência, moral e a ética.  As pessoas se entregam a outras, sem existir amor, sem planejar o casamento e as consequências são: gravidez indesejada, abortos, perda da juventude.
Neste sentido é importante uma educação sexual voltada para a formação da pessoa humana como todo, e não apenas como prevenção de doenças.
3   HIPÓTESE
A sexualidade prematura é devido o bombardeio da mídia
4   DESENVOLVIMENTO
Os questionamentos sobre o sexo deveriam iniciar na família e depois aprofundar na escola e nos meios religiosos. Infelizmente não acontece, ora por omissão ora por falta de tempo. Com essa ausência as crianças ficam em creches, onde há todo tipo de formação, devido  a desestruturação de muitas famílias.
O professor e o pastor tem um papel fundamental nessa formação, que muitas vezes deverá provocar o assunto para poder esclarecer num vocabulário condizente com a idade, falando com clareza, objetividade e sem preconceitos.
As manifestações sexuais constantemente transmitidas pela mídia são fantasias que induzem a ficam gravadas na mente das crianças e adolescentes. Muitos passam a maior parte do tempo em frente da televisão ou brincando na rua, de onde trazem todas as informações, que na maioria são deturpadas.
Tudo em nossa vida tem o momento certo e com o sexo não é diferente. Cabe a cada um de nós termos um discernimento para compreendermos quando será o momento certo, para evitarmos consequências desagradáveis e sequela.

Título: A Sexualidade Prematura
Tema: A influência do meio na formação sexual das crianças e dos adolescentes.

Cenário: Sala de Estar
MÃE: meus filhos já estão ficando adolescentes e ainda não criei coragem para falar de sexo com eles, tenho pouca intimidade com minha filha, precisamos conversar,.. estou ouvindo umas conversas dela com suas amigas.....huuuuuummmm.....
O marido chega do trabalho
MÃE: Oii Ruy, como foi o seu dia hoje?... Precisamos conversar um assunto muito sério e delicado, você não percebeu nada de estranho no comportamento de nossos filhos?
PAI: Que comportamento?! Não percebi nada não!!! Lá vem você com suas idéias, anda lendo demais!!!
MÃE: A Ângela já está ficando mocinha, anda muito quieta ultimamente, fica nos cantos lendo umas revistas às escondidas, e ou às vezes no internet, quando pergunto alguma coisa me responde rispidamente.
PAI: Que revistas são essas que minha filha anda lendo!!? É sua obrigação de vigiá-la!!
MÃE: Calma Ruy nada de demais! Quer dizer eu acho que não. As revistas não são tão ofensivas, essas revistas de adolescentes; Querida, carícia... Mas essas revistas muitas vezes ensinam coisas erradas e incentiva a sexualidade prematura.
PAI: É verdade, como é difícil falar com nossos filhos essas coisas, mas se nós que somos pais não falarmos da maneira correta, eles irão aprender de qualquer jeito, e infelizmente da maneira errada.
MÃE: Por isso devemos falar, ontem mesmo encontrei debaixo do colchão do Rodrigo, umas revistas muito feias, fiquei horrorizada.
PAI: Que revistas? Porque não me mostrou?   (fala debochando... e com malícia...)
MÃE: Ruy!!!! ( em tom de repreensão)
PAI: Estou brincando! E o que você fez?
MÃE: Queimei; claro!
PAI: Como os tempos estão mudados, é cada vez mais prematura a iniciação sexual dessa nossa juventude, eles nem esperam o corpo formar direito.
MÃE: é por isso que acho importante uma educação sexual para a formação da pessoa humana como todo, começando por nós pais, escola e depois na igreja. Mas infelizmente os pastores não abordam esse assunto, parece que tem medo!
PAI: É verdade, mas infelizmente ensinamos errado. Dizendo que sexo é coisa ruim, nojento e feia.. coisa que sabemos que não é. ( em aspecto brincalhão)
MÃE: Ruy, você leva tudo na brincadeira. A coisa é séria

Cenário II – Os filhos chegam...
RODRIGO: Mãe quem arrumou meu quarto?!!!
MÃE: Fui eu, por quê?
PAI: Rodrigo, como conseguiu aquelas revistas?
RODRIGO (nervoso): Mãe, não disse que não queria que mexesse nas minhas coisas? Isso é invasão de privacidade. Você não tinha que mexer lá! Odeio que mexam nas minhas coisas.
PAI: Rodrigo senta aqui!!! Precisamos conversar! Ângela senta também conversamos todos juntos.
RODRIGO E ANGELA: Lá vem sermão!!! Ninguém merece isso!!!
RODRIGO: Não tenho nada que conversar com você. Quero saber das minhas revistas, que não são minhas, preciso entregá-las ao Paulo, prometi que entregaria amanhã. E agora??
MÃE:  Não sei e nem quero saber o que você vai falar para ele, o fato é que estão queimadas, não quero estas coisas aqui em casa.
PAI: Filhos, eu sei que nesta idade é normal esses comportamentos, somos amigos, e gostaríamos que vocês contassem conosco para tudo. Eu e sua mãe também já passamos por essa fase. A sexualidade é essência do ser humano, ela relaciona com o prazer, ao amor, a vida, não restringe apenas ao ato sexual.
MÃE: Filha, você tem alguma coisa a nos dizer? Está tudo bem?
ANGELA: sobrou pra mim. Estou bem porquê?
MÃE: Nada específico, só gostaríamos de conversar um pouco, sabermos quais são suas dúvidas, angústias, estamos aqui para ajudá-los. Sei que devíamos ter conversado antes, mais nunca é tarde, confesso a vocês que não está sendo fácil pra nós esse conversa.
PAI: É verdade filhos, esta conversa já deveríamos ter tido antes, mas agora surgiu a oportunidade, gostaríamos que fossem sinceros conosco.
MÃE: Filha, ontem ouvi sem querer uma conversa sua pelo telefone com sua amiga... Você arrumou um namoradinho?
ANGELA: (Envergonhada) Mãe!?!
PAI; Pode falar filha, não estamos aqui para recriminá-los, o namoro é natural e faz parte de todo ser humano, o que não é natural é a banalização dele, a entrega do corpo apenas pelo prazer.
MÃE: É filha, o namoro é o período do conhecimento do outro, mas infelizmente a mídia as revistas, programas de TV, propaganda etc. mostram tudo errado, passando valores imediatistas de satisfação individual. O que você acha disso filha?
ANGELA: (timidamente) É verdade mãe, sabe a Marina, aquela minha amiga?
MÃE:  Aquela que mora no final da rua?
ANGELA: Sim! É ela mesma, estava namorando um rapaz, depois ficou grávida e o cara desapareceu, ela só tem 13 anos, seus pais estão separados, sua mãe trabalha fora e ela ficava o dia todo em casa com seu namorado assistindo TV. Agora não sabe o que vai fazer da vida, ainda nem contou para sua mãe.
RODRIGO: Também ela sai com todo mundo, vai ver nem sabe quem é o pai.
ANGELA: (fica brava) Ela sabe sim! É o Paulo, aquele seu amigo que lhe emprestou s revistas.
PAI: Filhos a sexualidade está em todos os seres vivos, e é muito importante, além de ser uma coisa boa. Mas os seres humanos passaram a ver apenas um aspecto do seu corpo e o praticam fora do casamento que é  errado.
MÃE: É verdade! As novelas, os programas de TV, propaganda... induzem a sexualidade prematura, cria em todos uma fantasia que muitas vezes não condiz com a realidade. Aquelas novelas malhação, rebelde, balacobaco e outras que vocês adoram assistir, os jovens e adolescentes se entregam às outras sem existir amor, sem responsabilidade e fora do casamento...
PAI: É as consequências vocês já conhecem, como o exemplo de sua amiga, gravidez indesejada, abortos e perda da juventude e infância.
Cenário II – empregada chega limpando a sala
EMPREGADA: (com certa liberdade) Que bonito, a família toda reunida, qual é a novidade? Aconteceu alguma coisa/ qual dois aprontou no colégio desta vez? ahahah!
MÃE: Não aconteceu nada Maria! Estamos tendo uma conversa com nossos filhos, se não, você já viu...
EMPREGADA: É verdade dona Margarida, como dizia minha avó, - que Deus o tenha! Filhos criados trabalho dobrado. Mas espero que já tenham conversado, com licença, agora preciso limpar a sala.

Fim, todos se despedem e cumprimentam.


Informações curriculares do autor:
Jose Lopes de Oliveira é: Casado com a Missionária M. Elisete da S. Oliveira, tem quatro filhos, casados e três netos.
Formado em Segurança e Medicina do Trabalho, Pedagogia, Pós graduado em Psicopedagogia e Mestrado Inc.: em Educação, Administração e Comunicação. - UNIMARCOS
Pastor Batista, Missionário da Junta de Missões Nacionais,
Mestre em Ciência da Educação:formação de Professor - Universidad  Del Atlático - Barc.-Espanha.
Prof. de EBD, Superintendente de EBD, Pastor de Jovens em várias Igrejas.
Prof. de Ensino infantil, Fundamental e Médio,  Prof. Universitário de Filosofia da Educação, Psicologia e História da Educação.
Professor de Teologia, Missionário e orientador de reinserção de detentos da Ex- penitenciária da extinta Carandiru/SP – pavilhões 8 e 9.
Ex-Secretário da Associação Pró-moradia da Vila da Amizade em Jandira/SP.
Foi assessor de Gabinete do Prefeito de Itapevi.
Foi filiado ao PSC de Jandira onde foi candidato a Vereador.

(11) 974- 520 – 677 (Op. TIM)










terça-feira, 23 de outubro de 2012

Síntese histórico de utilização da madeira


Por volta de 40 mil anos antes de Cristo, o homem começa um novo capítulo de sua evolução, domina o fogo, caça as feras que o aterrorizam e começa a habitar cavernas.

A madeira torna-se um elemento importante para sua sobrevivência e para seus registros artísticos, surgindo assim as primeiras esculturas.

Na era da Pedro Polida, os primeiros arados feitos de madeira facilitavam a produção de alimentos de forma contínua; o homem então inventa tambores de pele com troncos ocos e flautas de bambu para emitir os primeiros agrupamentos sonoros, a fim de ritmar os trabalhos coletivos de plantio e colheita.

No antigo Egito, surgem as primeiras lâminas de madeira como as usadas no revestimento do trono de Tutancâmom. Intensifica-se o uso de madeira em móveis, nas estruturas para transporte dos blocos para a construção das pirâmides e das primeiras embarcações para navegar no rio Nilo, determinado uma nova fase na evolução humana.

Na Idade Média, devido à forte motivação religiosa, a madeira é utilizada na construção de majestosas catedrais e de móveis que eram de cor escura e com poucos detalhes.

A madeira foi usada para a construção de embarcações como caravelas, que possibilitaram a descoberta do Novo Mundo e o transporte de madeira nobre extraída de matas nativas, como o pau-brasil, para a Europa.

No Brasil, os primeiros utensílios, ferramentas, edificações e mobiliários foram construídos a partir das técnicas indígenas e da utilização de madeira extraída de florestas nativas.

No século XIX, artesãos vindos da Europa como imigrantes montam marcenarias que originam as primeiras indústrias moveleiras. para capacitar a mão-de-obra, surge o Liceu de Artes e Ofício (1882) e, posteriormente, o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial - SENAI (1942).

As  primeiras fábricas de lâminas de madeira e de compensados surgem na Europa com o advento da Revolução Industrial. A utilização desses materiais na estrutura de aeronaves, embarcações, embalagens resistentes na construção civil foi intensificada durante as grandes Guerras mundiais (1914 a 1919 e 1939 a 1945).

A redução de florestas nativas impulsionou o surgimento dos projetos de florestas plantadas, com espécies de crescimento rápido como pinus e eucalipto, possibilitando a obtenção d emadeiras padronizadas e em quantidade suficiente para suprir as necessidades dos  diferentes ramos de atividade que utilizam esse material.

No Brasil, devido ao alto custo das madeiras provenientes de florestas plantadas, apenas as empresas que visam à exportação de móveis utilizam-nas em larga escala.

Com o desenvolvimento de novas tecnologias para o aproveitamento dos resíduos resultantes do beneficiamento da madeira, surgem materiais como o aglomerado, a chapa de fibra dura e posteriormente as chapas de madeira  de média densidade ("medium density fiberboard" - MDF), produto que possui capacidade de usinagem, resistência mecânica e a padronização dos móveis produzidos.

O desenvolvimento do conhecimento humano, com a evolução dos materiais e com o aprimoramento de máquinas, equipamentos, ferramentas e suprimentos usados na produção de móveis e a otimização dos sistemas de gestão ´permitem  a produção adequada de móveis, em relação à qualidade dos produtos, às condições ideais para os trabalhadores, ambientes laborais e meio ambiente. Porém, essa situação ainda não ocorre para a maioria das indústrias desse ramo de atividade.


Fonte de Pesquisa;  Coleção Manuais . Manual de Segurança e Saúde no Trabalho - SESI 2004



sábado, 15 de setembro de 2012

CONHECENDO A ESTRUTURA DA BÍBLIA

No campo missionário nos deparamos com diversas indagações, e a maioria é  a respeito sobre a Bíblia.
Alguns até perguntam o que é a Bíblia. Pois bem a bíblia é a revelação de Deus à humanidade. Seu autor é Deus mesmo. Seu intérprete é o Espírito Santo.  Seu assunto central  é Jesus Cristo.

Se a Bíblia é a revelação de Deus, então ela expressa  a vontade de Deus. Ignorá-la é ignorar essa vontade. Portanto  "A Bíblia é Deus falando como homem; é Deus falando através do homem; é Deus falando ao homem; é Deus falando a favor do homem; mas é sempre deus falando!" (A.D).

Na estrutura da Bíblia  temos duas divisões principais: Antigo e Novo Testamento. E em sua composição temos 66 livros, sendo 39 no A.T e 27 no N.T. Perfazendo um total de 1.189 capítulos, 31.173 versículos.

O Antigo Testamento com seus 39 capítulos estão divididos em quatro classes: LEI, HISTÓRIA, POESIA, PROFECIA.

LEI: 5 livros de Gênesis a Deuteronômio, que são chamados de Pentateuco. tratam da Criação e da Lei.
HISTÓRIA: 12 livros de Josué a Ester - contém a história do povo de Israel.
POESIA: 5 livros de Jó a Cantares
PROFECIA: 17 livros  de Isaías a Malaquias e estão subdivididos em dois grupos: Profetas maiores 5 livros de Isaías a Daniel e Profetas Menores  12 livros de Oséias a Malaquias.

O Novo Tetamento com seus 27 livros também subdividem em quatro classes: BIOGRAFIA, HISTÓRIA, DOUTRINA, PROFECIA.

BIOGRAFIA: 4 Evangelhos  de Mateus a João - descrevem a vida terrena do Senhor Jesus e o Seu glorioso ministério entre  a humanidade.
HISTÓRIA: é o Livro de Atos dos Apóstolos, registra história da Igreja Primitiva, seu viver e agir  e a ação do Espírito Santo na Igreja.
DOUTRINA; São 21 livros chamados de epístolas ou cartas. de Romanos a Judas
PROFECIA; é o livro de Apocalipse, que significa Revelação, trata da volta pessoal do Senhor Jesus à terra, isto é, Sua revelação, Sua manifestação visível.

Considerando Cristo como tema central da Bíblia, os 66 livros poderão ser resumido em 5 palavras, todas referentes a Cristo.
PREPARAÇÃO: Todo o Antigo Testamento trata da preparação do mundo par ao advento de Cristo.
MANIFESTAÇÃO: Os Evangelhos tratam da manifestação de Cristo ao mundo como Redentor.
PROPAGAÇÃO: Os Atos dos Apóstolos tratam da propagação de Cristo por meio da Igreja.
EXPLANAÇÃO: As Epístolas tratam da explanação de Cristo. São detalhes da doutrina.
CONSUMAÇÃO: O Apocalipse trata de Cristo consumando todas as coisas.

Espero ter contribuído para o seu crescimento espiritual e intelectual.
Se assim, for divulgue este blog aos seus amigos, compartilhe, e se desejar  faça também o seu comentário.

Pr. José Lopes é Missionário da Junta de Missões Nacionais da CBB, dirigente da Missão Batista em Vila União - Rua Jorge de Freitas, 169 -  Vila União /SP - CEP 02911-030


quarta-feira, 12 de setembro de 2012

EVANGELISMO E DISCIPULADO


                                    MISSÃO BATISTA EM VILA UNIÃO
                    Rua Jorge de Freitas, 169 - Vila união/SP - CEP 02911-030
Celebrações: terça-feiras -  Louvor e adoração - às 20h - sexta-feira  estudo expositivo da Palavra -às 20h                

                   .



Quando as pessoas de Judá e Jerusalém foram levadas ao cativeiro, os pobres, juntamente com seus filhos, foram deixados em Jerusalém, e Jeremias foi deixado com eles. Muitas crianças estavam famintas e muitas morreram. Não havia comida suficiente e não havia meio de obter mias comida. Jeremias clamou:"com lágrimas se consumiram os meus olhos...Pois desfalecem os meninos e as crianças de peito pelas ruas da cidade". Lam.2:11-12.

Jeremias implorou para que o povo do Senhor chorasse e orasse; "...corram as tuas lágrimas como um ribeiro, de dia e de noite, não te dês descanso, nem pares de chorar a menina de teus olhos! Levanta-te, clama de noite no princípio das vigílias; derrama, como água, o coração perante o Senhor; levanta a ele as mãos pela vida de teus filhinhos, que desfalecem de fome à entrada de todas as ruas" Lam.2:18-19.

Jeremias acusou o povo de ser curel; "Até os chacais dão o peito, dão de mamar a seus filhos; mas a filha do meu povo tornou-se cruel como os avestruzes no deserto. A língua da criança que mama fica pegada, pela sede, ao céu da boca; os meninos pedem pão, e ninguém há que lhe dê". Lam. 4:3-4.

Esta condição das crianças em Jerusalém é o tipo de condição das crianças no mundo todo hoje.As crianças em Jerusalém estavam famintas por alimento físico; as crianças hoje estã famintas por salvação. ali havia milhares; hoje, há centenas de milhões.

Somente Deus pode suprir essa terrível necessidade hoje, mas ELE pode supri-la se o Seu povo orar assim como Jeremias orou e implorou que o povo do Senhor orasse. Temos o "Pão da Vida" agora, mas quem, quem irá levá-lo para os milhões de crianças que perecem?

É nosso papel, ddo por Deus, ir às crianças onde estão. Que Deus coloque esta responsbilidade sobre o Seu povo, em todo lugar: que todos perguntemos humildemente a ELE o que podemos fazer para evangelizar as crianças.
(Fonte; J.Irvin Overholtzer - APEC)

quinta-feira, 30 de agosto de 2012

A PARÁBOLA DOS PESCADORES SEM PEIXES


Era uma vez uma cidade que ficou conhecida como a cidade de pescadores que não pescavam. E havia muitos peixes naquelas águas. Na realidade, toda a área era cercada por rios e lagos cheios de peixes, todos famintos.

Semana após semana, mês após mês, ano após ano, os pescadores se reuniam para conversar sobre chamado para pescar, sobre a abundância de peixes e sobre como deveriam pescar.

Ano após ano, definiam cuidadosamente o que significava pescar; defendendo a pesca como uma ocupação e declaravam que pescar era sempre a principal função dos pescadores.

Eles procuravam continuamente  método e definições novos para a pesca. entretanto, eles só falavam a respeito da arte da pesca. Eles não pescavam.

Grandes, caros e elaborados centros de treinamento foram construídos, cujo propósito original e principal era ensinar pescadores a pescar. Ao longo dos anos, cursos foram oferecidos sobre a necessidade de pescar, a natureza da pesca, onde encontrar a pesca, a classificação da pesca, e as reações psicológicas do peixe.

Aqueles que ensinavam tinham Mestrado e Doutorado em piscicultura, mas os professores não pescavam. Eles apenas ensinavam a pescar: Ano após ano, depois de um treinamento entediante, muitos se formavam e recebiam sua licença de pesca.

Depois de um encontro sobre a necessidade de pescar; um jovem aluno saiu da reunião e foi pescar: No dia seguinte, disse que pescou dois peixes consideráveis. Ele foi premiado por sua pesca excelente e convidado a visitar todas as principais reuniões para contar como pescaram dois grandes peixes. Então largou a pesca para ter tempo de contar as suas experiências para outros pescadores e também para fazer um filme sobre a grande pesca. Ele também foi colocado na diretoria geral dos pescadores por causa de sua experiência notável.

É verdade que muitos  dos "pescadores" eram realmente sinceros e realmente estavam se sacrificando e passando por todo tipo de dificuldades. Além do mais, não estavam  eles seguindo o mestre, que  dissera: "Vinde após mim, e eu vos farei pescadores de homens"? Imagine como alguns deles ficaram magoados quando um dia alguém se colocou à sua frente e sugeriu que aqueles que não pegavam peixes não eram realmente pescadores, independente do quanto diziam ser: Ainda assim aquilo parecia correto.

Alguém é pescador, se ano após ano  nunca pega um peixe? Alguém está seguindo, se não está pescando?
                                                                        Copilado da Revista APEC-  Por que Evangelizar Crianças?

                                                                                                                               (Autor Desconhecido)
Lembre-se: Só pega peixe quem  vai ao mar pescar. Só se alcança vidas para Cristo, indo às ruas e casas Evangelizando, Ensinando e Discipulando as pessoas. Mt. 28:18-20


terça-feira, 7 de agosto de 2012

DISPENSAÇÃO ECLESIÁSTICA II

Parábola do Tesouro - Mt. 13:44
Podemos entender que esse tesouro é a alma preciosa dos homens em todo o mundo, tal qual Israel foi para Deus um Tesouro. Sl.135:4; Êx.19:5; Ml. 3:17.

O tesouro sendo ocultado representa o homem perdido no meio de pecados. O campo é o mundo.

Quando o homem "foi vender tudo" ele figura Cristo que deixou a Sua glória na presença do Pai Fl. 2:-8 para "comprar" o campo, o mundo, pelo preço do seu próprio sangue. I Pe. 1:18,19; Jo.11:51. O gozo que o homem experimentou figura o gozo de Cristo ao ver os salvos, fruto do seu sofrimento. Hb.12:2. Seria a conversão duma grande multidão, a Igreja, a Sua esposa que com Ele reinara.

Na Parábola da Pérola  encontramos outra figura de Cristo sofrendo a fim de redimir o povo. As pérolas são formadas por ataque de parasitas ou por introdução dum corpo estranho, como seja um grão de areia, na estrutura muscular da ostra. Sentindo a dor que isso ocasiona, o organismo reage, cobrindo a área com uma secreção. A secreção endurece e logo vem outra camada da mesma substância. As sucessivas camadas então formam a pérola.

É uma ilustração da Igreja que também é formada pelo sofrimento de Jesus. Rm. 16:26; Ef.5:32. Tendo Cristo sofrido por ela, Ele também a prepara para apresentação a Si mesmo. Ef. 5:25-27

Na Parábola da Rede - Mt. 13:47-50  Temos uma nítida representação da separação entre os bons e os ruins na consumação dos séculos, provavelmente durante a Grande Tribulação. É a hora em que tudo que "serve de pedra de tropeço" será lançado fora. Essa parábola tem um paralelo na descrição da ceifa e da vindima da terra, em Ap.14:14-20. Os anjos serão os ministros desse juízo. Ap.7:1; 8:2,7;10:1. Nota-se também o destino final desses iníquos, a fornalha de fogo, isto é, o lugar de destruição eterna, o Lago de Fogo. Ap. 20:10-15.

Conclusões Finais Sobre a Natureza Desta dispensação.
A dispensação da Graça não é apenas uma extensão ou continuação da Dispensação da Lei sob outro nome. A Lei e  os Profetas duraram até João Batista. Mt. 11:12,13. Moisés e a Lei pertenciam a uma dispensação; Cristo e a graça pertencem a outra. Portanto, não há  lugar na Igreja para os ritos cerimoniais, sacrifícios de carne, instituição de sacerdotes como mediadores entre Deus e os homens, suntuosos templos, etc. Também não se justifica "Igrejas do Estado", nem Igrejas universais, que exerçam o poder temporal, como é a pretensão da Igreja Católica Romana. Cristo reinará temporariamente somente ao voltar do céu e estabelecer o Seu reino milenial.

Que Deus lhe abençoe sempre em Cristo.

Pr. J.Lopes

sexta-feira, 3 de agosto de 2012

DISPENSAÇÃO ECLESIÁSTICA- I

A parábola do  Fermento, segundo a interpretação popular, ensinaria que o fermento é o evangelho que a mulher, a Igreja, introduziu no mundo (as três medidas de farinha). Esse fermento, dizem eles, operando secretamente, espalha-se por  toda a massa e no fim produzirá a conversão integral de todo o mundo. Não concordamos com essa teoria, porque a história da Igreja até aqui não a confirma. Em nenhum pronunciamento ou profecia Jesus prometeu tal coisa, e nem tão pouco os apóstolos.

É altamente perigoso criar um doutrina com base só em parábola. O bom senso ensina buscar a interpretação de parábolas  em claras e indiscutíveis doutrinas dos Evangelhos e das Epístolas, e também observar o curso da história.

A parábola realmente representa a introdução do elemento falso na igreja. A mulher é a igreja falsa que coloca a doutrina falsa no meio do ensino de Cristo, representado pelas três medidas de farinha, ou seja a oferta de cereais do Velho Testamento, que é claramente uma figura de Cristo, o "Pão da Vida",e Seus ensinos. Jo.6:35,63. "Não só de pão viverá o homem, mas de toda a palavra que sai da boca de Deus". Mt. 4:4. "As palavras que Eu vos tenho dito são Espírito e são vida". Jo.6:63. A palavra ou doutrina errônea da parte da falsa igreja. O uso da palavra "fermento" no Velho Testamento é prova dessa asserção, pois o fermento era proibido na festa da Páscoa e em todas as ofertas cerimoniais, com exceção de alguma oferta que claramente tipifica a má natureza do pecado. Êx. 12:8; Lv.7:18; Lc.23:6-17; Am.4:4,5. Nunca se uso fermento em qualquer oferta de cheiro suave.

O uso da palavra "fermento" no Novo Testamento confirma ainda mais essa opinião. Em I Cor.5:6-8 Paulo fez o fermento símbolo da malícia e da maldade, em contraste com os pães asmos da sinceridade e da verdade. Jesus avisou Seus discípulos contra três formas de doutrina errada: 
1) Dos Fariseus Mt.23:14,15,2-28, que representa a religião formal, hipócrita, que tem a "forma de piedade, negando-lhe, entretanto, o poder". II Tm.3:5.
2) Dos Saduceus Mt.22:23-29, que eram os "modernistas" do tempo de Jesus, que negavam toda operação sobrenatural, a existência de anjos, e milagres de qualquer espécie.
3) dos Herodianos Mt 22:16-21;Mc 3:6, que eram judeus que se submetiam ao jugo romano e que evidentemente haviam perdido qualquer esperança messiânica. Não passavam dum partido político. Seriam os precursores das atividades políticas que hoje se vê no cristianismo que ostenta  tantas reformas por meio de legislação, educação e união com o mundo de modo geral. Especialmente o Concílio Mundial de Igrejas, cuja influência se faz sentir em todo o mundo, até mesmo junto aos governos dos países, está envolvido com esse tipo de atividade.

Em conclusão sobre o ensino dessas quatro parábolas citamos  o dr. Campbell Morgan: "Evidentemente, estas quatro parábolas não retratam uma época em que o bem ganha ascendência até a perfeição de concretizar;mas é um época caracterizada por conflitos em que se julgava que o mal triunfaria e não o bem. Na parábola do semeador se vê a obra do Rei, espalhando a boa semente a fim de conseguir os resultados do reino de Deus. A  obra do inimigo é manifesta por suas tentativas de impedir tais resultados  por prejudicar  a semente através da terra em que foi semeada.
Na  parábola das duas sementes (joi) é revelada a obra do Rei como também do inimigo que semeou o joio no mesmo campo.Na parábola da mostarda, a qual, contrário às leis da natureza, produz uma grande árvore, notamos um crescimento anormal, um aborto, algo não cogitado, e que por conseguinte falta todos os elementos de firmeza e resistência. No fermento... temos a forma mais simples de corrupção."

Claramente nestas parábolas Jesus não está descrevendo a verdadeira natureza do reino de Deus, mas sim manifestando algo das lutas que seu reino iria enfrentar no curso da história

Continua próxima postagem: A Parábola do Tesouro.


quinta-feira, 2 de agosto de 2012

DISPENSAÇÃO ECLESIÁSTICA

O Resultado da Dispensação Eclesiástica.

As Parábolas de Mateus Cap.13 revelam claramente que nem todo o mundo será convertido pela pregação do Evangelho, mas sim que todo o curso e o fim desta dispensação caracterizar-se-á por um mistura do bem e do mal.

Pela Parábola do Semeador Mt.13:3-8,18-23 Jesus preconizou que somente uma quarta parte da semente (Palavra) produz colheita. A expressão "palavra do reino" vv.19 refere-se a toda a Palavra de Deus, como proclamada por Cristo, pela igreja, verbalmente, pela impresnsa e mesmo pelo exemplo do povo de Deus.
Na primeira situação situação a Palavra não foi compreendida e Satanás facilmente conseguiu arrebatar a semente antes que germinasse.vv.19

Na segunda situação a Palavra-semente germinou, mas sendo que faltou profundeza de terra, foi arrancada pelos ventos de perseguição ou queimada pelo sol da tribulação. vv.20,21.
No terceiro caso os espinhos, entre os quais a semente foi lançada, representam "os cuidados do mundo e a fascinação das riquezas" que sufocam a palavra. vv.22.

Paulo pesarosamente relata o caso de Demas que amou o presente século e abandonou a obra. II Tm.4:10.
Na quarta situação a boa terra representa o coração compreensivo e aberto que produz abundante colheita espiritual v.23.

A Parábola do Joio ensina-nos a mesma lição: que a pregação do Evangelho não fará converter todo o mundo. Mesmo no campo mais frutífero, Satanás semeia o joio que nasce e cresce junto com o trigo até o tempo da ceifa. Mt.13:24-30;36-43.

A semente nesta parábola já é diferente da semente da parábola do semeador, sendo que ela representa "os filhos do maligno" vv.37,38. Satanás introduz a sua semente de evangelhos falsos no meio dos homens, produzindo um cristianismo espúrio.vv.38.

A colheita é a consumação do século (presente), quando Deus tomará as providências necessárias, por Seus agentes, os anjos, que recolherão o cereal verdadeiro para os celeiros divinos e ajuntarão o joio para o queimar, "na consumação do século" (Grego-aioon) vv.39-42.

A Parábola do Grão de Mostarda Mt.13:31,32, ao contrário da interpretação popular, que ela represente o crescimento da igreja, começando como uma coisa insignificante  e  finalmente enchendo a terra, abrigando nações (as aves do céu) em seus ramos, ensina a corrupção geral no fim dos tempos.
Chamamos a atenção ao fato de que esse crescimento é anormal e sem substância, pois a mostarda não passa duma erva pequena do campo. Ela não poderá transformar-se em árvore.

A parábola realmente ensina que o cristianismo, começando pequeno, em vez de  procurar um desenvolvimento normal e sadio, de separação do mundo, tornou-se  uma grande instituição, até política em caráter, como se vê na Igreja Católica Romana, essa organização em cujo meio existem muitas "aves" - gente não convertida, e mesmo poderes de demônios Ap. 18:2. As aves nesta parábola não significam nada bom quando na parábola do semeador vv.4 e 19, na mesma série de ensinos, representam as artimanhas de Satanás.

Concluímos então afirmando que grande parte do cristianismo, em vez de desenvolver uma vida normal espiritual, de pobre de espírito e separado para Deus, tornou-se uma instituição mundana, com feição política que jamais tentou esconder.

Continua na próxima postagem: A Parábola do Fermento e do  Tesouro.

Fonte de pesquisa: "O Plano Divino Através dos Séculos" - 5ª Edição - N.Lawarence Olson-
Consultando a Bíblia - Ralph M. Rigggs
Conhecendo as Doutrinas da Bíblia - Myer Pearlman


terça-feira, 24 de julho de 2012

PSICOPEDAGOGIA

Que saudades das aulas de Pós-graduação em Psicopedagogia, e faço aqui referencia à professora Susana que, com maestria e amor nos passou instruções e experiência de vida e profissional.
Lembro-me muito bem quando ela dizia com sabor: "A Psicopedagogia é uma área do conhecimento. Cujo objeto de estudo é o sujeito cognoscente, isto é, o sujeito que constrói seu saber".

Pois bem, a atuação da Psicopedagogia foca o processo de aprendizagem humana, não apenas no âmbito escolar, ou restrito a uma determinada fase de desenvolvimento do indivíduo, visto que a aprendizagem é um processo contínuo que ocorre em todos os espaços ou lugares, em diferentes momentos e situações, durante toda a existência do ser humano.

O Psicopedagogo é um profissional que congrega conhecimentos de áreas como: Psicologia, Neuropsicologia, Pedagogia e outras áreas afins, com o objetivo de intervir, utilizando de seus próprios instrumentos, no processo interativo, mas também contemplar ou mesmo potencializar as diversas competências de forma inter e transdiciplinar.

A Psicopedagogia é a área de conhecimentos cujo objeto é o sujeito na construção de seu saber, com foco no proceso de ensino-aprendizagem.

O Psicopedagogo, utilizando instrumentos próprios, atua não só diagnosticando dificuldades, mas  intervindo, de forma inter e transdiciplinar, na potencialização das diferentes competências.

Introduzida no Brasil por mãos argentinas e francesas de Psicólogos e Psicanalistas no final da década de 60, a Psicologia  Institucional surge como um momento de revisão e crítica do pensamento e da prática profissional, que e restringia aos atendimentos  terapêuticos individuais e em consultórios, vistos com uma conotação "cientificista" e "aburguesada" ao olhar das esquerdas nacionais.

"Uma classificação é um modo de ver o mundo de um ponto no  tempo. Não há de que o progresso cintífico e a experiência com o uso dessas diretrizes irão requerer suas revisões e atualizações". CID-10. (Transtornos Mentais/de Aprendizagem/Atenção)

Em cada circustância, há um tempo em o Psicopedagogo deve se levantar para responder às necessidades daquele momento. Portanto, todos têm a oportunidade de fazer uma diferença positiva na sociedade. Infelizmente, há períodos em que nenhum Psicopedagogo se levanta no momento necessário.

Por que um Psicopedagogo não se levanta imediatamente quando as circustâncias exigem? Muitas vezes é porque as pessoas não preparam o espírito. então, que tipo de espírito precisam ter?
É importante que O Psicopedagogo desenvolva "habilidades" a fim de lidar de maneira eficaz. Entretanto, em primeiro lugar, há quatro importantes qualidades do espírito que todo grande Psicopedagogo deveria desenvolver em sua própria vida: Credibilidade, Respeito, Consistência e Confiança. Pois isso enobrece  e eleva o caráter e integridade do profisisonal de Psicopedagogia que são indispensáveis. Para desenvoler a disciplina, segurança e a identidade, convicções pessoais, valores e ética.

A Psicopedagogia funciona na base da Confiança. A integridade tem alto valor de influência. Para combater nossa tendência a trabalhar em nossa própria imagem do que nossa integridade.
Integridade significa viver a verdade em minha própria vida primeiro, antes de lidar com a de outrem.
Uma personalidade carismática pode atrair pessoas, mas somente a integridade as manterá. Integridade é uma vitória, não um dom.

Você só se tornará aquilo que você está se tornando nesse exato momento.
Prof. José Lopes

segunda-feira, 23 de julho de 2012

SER LÍDER É SABER INFLUENCIAR

Durante nossos encontros de liderança Transpaulista/Abanoc, tive um aprendizado extraordinário com todos vocês, portanto, quero agradecer a todos por esta oportunidade impar.

Mas, estive pensando que, por séculos a liderança tem sido tema de debate entre os cristãos. É bíblico liderar? Nós fomos chamados para ser seguidores ou líderes? fomos chamados para ser servos ou senhores? Podemos honestamente acreditar que liderança é uma idéia bíblica?

Quando estudamos  a Bíblia cuidadosamente, vemos que a liderança é, verdadeiramente, uma idéia de Deus. Ele é o Líder maior mas Ele também nos chamou para sermos líderes. ( Gn. 1:26-31, Mt.5:13-16, II Cor. 5:11, Ex. 3-4 , Ex. 3:11, Ex. 3:13, Ex. 4:1, Ex.4:10,Ex.4:13, Sl. 78:72, Heb.12:1-2, Rom. 12:1-2, Tg.5:13-16, II Tm.2:15,...)

Buscando em uma retrospectiva, lembrei-me do tempo em que estava cursando Pós-Graduação em Psicopedagogia uma das questões levantadas foi: "Ser Líder é saber influenciar" cujo autor é Roberto Shinyashiki. Segundo R.S., "Todo mundo quer ser líder, quer influenciar os outros. Todo mundo chega numa instituição ou departamento e quer logo colocar a sua visão de administrador, a sua visão de como tudo deve funcionar".

O tempo todo, um quer influir na maneira como o outro deve lidar. Confundir liderança com posição hierárquica, ou experiência de vida é uma prática corriqueira.

Há uma boa diferença entre querer influenciar alguém e conseguir realizar a ação de fato.

A pergunta mais importante  que se deve fazer é: Será que alguém está interessado ser influenciado por mim? Será que alguém quer conhecer minha opinião? Infelizmente, a maioria das pessoas parte do pressuposto de que somente sua experiência de vida ou posição bastam para que alguém seja influenciado por ela.

É comum muitas pessoas acharem que liderança é simplesmente mandar ou falar mesmo quando os outros não  querem escutá-lo. O verdadeiro líder, pelo contrário, é procurado  porque as pessoas gostam de conhecer as suas opinões.

Talvez essa seja uma das melhores maneiras de reconhecer um líder: alguém com quem as pessoas estão sempre querendo conversar, porque percebem que crescem depois da conversa e estão mais capacitados para lutar por seus sonhos.

O verdadeiro Líder cria nas pessoas o desejo de serem influenciadas por ele.

Da próxima vez que você for dar uma opinião, pergunte-se primeiro: Essa pessoa está interessada em conhecer o que penso? E se não estiver, o que devo fazer para que ela se interesse pelas minha sopiniões?

 Nunca se esqueça; Um Líder tem paixão e compaixão pelas pessoas.
Procure apresentar um excelente serviço. O que realmente vale em nossa vida é aquilo que fazemos para os outros. Mantenham  sua equipe sempre bem  informada, e não retenha as informações que você deve passar aos seus liderados.

Prof. Lopes




terça-feira, 17 de julho de 2012

HAVERÁ ESCASSEZ DE ÁGUA!?

Segundo a ciência uma criatura humana em gestação está constituída em 97% de água e na idade adulta 60 a 70% pelo qual necessita de três a cinco litros de água por dia para se manter.

Sem comida uma pessoa pode viver 40 dias, porém sem água somente três a cinco dias, pelo que temos que cuidar da água como se fosse ouro.

QUANTA ÁGUA POSSUI A HUMANIDADE?

As duas terças partes do nosso planeta estão cobertas por um bilhão e quatrocentos milhões de kl3 de água. a maior parte de água da terra é salgada.96,5% da água existente no mundo é salgada, contendo 35 gramas de sal por litro, pelo qual não pode ser ingerida pelo homem.

Apenas 25% da água é doce.Uns 75% desta água doce se acham na calotas e geleiras polares. Uns 24% desta água doce se acha nas profundezas da terra. Apenas uns 10% desta água doce pode ser usad pelo homem. 520.000kl3 de água  chove anualmente sobre a terra em anos normais. 412.000kl3 desses caem  nos mares, 30.000kl3 caem em lagos e rios e 60.000kl3 se evaporam, apenas 10% dos 520.000kl3 caem na terra e se juntam com os lençóis de águas doces  da terra.

Apenas uns 10% dessa água é utilizada por nós para vivermos, uns 20% ocupam as indústrias e o restante ocupam a agricultura.

APENAS UNS 6%  dos 10% DA ÁGUA DOCE PODE SER UTILIZADA PELO HOMEM

Com este simples balanço se vê claramente a grande escassez de água potável que afeta a humanidade. E este 6% da água útil para o homem estamos poluindo e mal gastando vergonhosamente,pensando que é um bem inesgotável, como aconteceu com o petróleo.
Assim como vão as  os procedimentos, se não haver uma boa administração dos gastos desenfreados da água, herdaremos aos nossos filhos e netos  um mar morto.

sexta-feira, 6 de julho de 2012

EBF - Festa na Roça - MISSÃO BATISTA EM VILA UNIÃO


MISSÃO BATISTA EM VILA UNIÃO

PROMOVE:

Grande Vigília de Oração
Dia 18/07/2012  - das 12h às 18h
Escola  Bíblica de Férias (EBF)
Dias 19,20 e 21/07 das 14h às 18h

APRESENTAÇÕES:

Histórias Bíblicas – Músicas – Brincadeiras – Palhaços – e Muitas  Diversões !!!!

GRANDE FESTA NA ROÇA – NO ARRAIÁ DO NHÔ UNIÃO!!!

Dia 21/07/2012 – às 19h

SEJAM TODOS BEM-VINDOS


LOCAL: Rua Jorge de Freitas, 169
 CEP 02911-030
Vila União/SP

domingo, 15 de abril de 2012

PRIMEIRA CANTATA DE PÁSCOA – MISSÃO EM VILA UNIÃO

Na data de 14 de abril de 2012 a Igreja Batista em Freguesia do Ó – “IBAFÓ” sob o pastoreio do Pr. Edélcio Costa, fez apresentação da Cantata de Páscoa, sob a Regência do Maestro Carlinhos na Frente Missionária em Vila União – Distrito da Freguesia do Ó/SP – Capital, onde os Missionários Pr. José Lopes de Oliveira e  Miss. Elisete já atuam desde novembro de 2011, realizando Estudos Bíblicos nos lares e estudos coletivos em uma garagem cedida por uma das irmãs que faz partes dos 22 novos convertidos, tendo cerca de 20 a 25 crianças que também são discipuladas e ministradas aos sábados com a irmã Jesiane, Sabrina e Pr. Edélcio.



Durante as apresentações do Coral IBAFÓ, os Cânticos das crianças desta Missão Batista em Vila União a população se fez presente (cerca de 100 pessoas) assistindo cada peças  da Cantata, assim, como, a Mensagem da Palavra de Deus que foi proferida pelo Pr. Edélcio.



Nós Missionários desta Missão Batista em Vila União, agradecemos todos os participantes e Igreja que nos apoiam com suas orações e contribuições, que Deus muito vos abençoe em o nome de Jesus.



Seus Missionários a Servindo ao Reino de Deus na ABANOC

Pr. J.Lopes e Elisete

QUARTO GRANDE TREINAMENTO DA CAMPANHA TRANSPAULISTA- ABANOC

A Associação Batista Noroeste da Capital/SP – ABANOC- sob a Coordenação de Base Operacional do Pr. Paulo Lopes Barbosa, em atendimento a convocação maior do Senhor Jesus, fez acontecer um Grande Encontro de Treinamento de Lideranças rumo à Transpaulista 2012, na Igreja Batista do Morro Grande – Pr. Edson Plaza, com a participação de 70  pessoas envolvidas e motivadas ao trabalho missionário desta Associação e Igrejas.



A ABANOC tem como Treinador e Mobilizador de Estratégias de Expansão Missionária o Pr. José Lopes e Mis. Elisete da Junta de Missões Nacionais/CBB, Tivemos também a presença e participação a Gerente Regional São Paulo a Mis. Maria Helena e também ministrou parte do Treinamento com o Pr. J.Lopes, a Miss. Lenir Ribeiro da Missão Batista Parque Suburbano em Itapevi /SP  que juntamente com a Mis Elisete aplicaram o Treinamento de EBF, e a Líder de Equipe da Igreja Batista do Cachoeira, irmã Sara ministrou o treinamento dos Kids Games.



Durante o Treinamento que foi desenvolvido com muita alegria, e a orientação e ação do Espírito Santo e com orações, foram realizados alguns sorteios com DVds da Campanha da Trans, evangelho de João e duas inscrições para voluntários participarem deste Grande Evento de Evangelização em toda a Pátria brasileira.



Nós a Família Missionária, desejamos agradecer a todos os voluntários e líderes presentes bem como àqueles que por motivo de força maior, não puderam estar neste grande encontro, agradecemos a Igreja Batista do Morro Grande que juntamente com seu Pr. Edson Plaza, que carinhosamente cedeu as dependências do Templo para a realização deste Evento, bem como a deliciosa feijoada que a equipe de cozinha preparou com amor e carinho a estes obreiros do Reino de Deus.



Que Deus muito vos abençoe em o nome de Jesus



Seus Missionários Servindo ao Rei Jesus na ABANOC.

Pr. Lopes & Mis. Elisete

sexta-feira, 13 de abril de 2012

ARTIGOS-ABORTO



Se nem a presença de uma menina anencéfala de dois anos de idade, levada pela mãe diante dos olhos dos Ministros do Supremo, foi suficiente para demonstrar a inconsistência de tudo que ali se afirmava, então definitivamente aquela corte é um hospício.


Eric Voegelin chama de fundamentalista a pessoa que acredita em frases independentemente de seu significado. Quem acompanhou o debate no Supremo Tribunal Federal a respeito do aborto de bebês anencéfalos assistiu a um verdadeiro conclave de fundamentalistas. Era visível – irritante, eu diria – o esforço para criar uma realidade jurídica que, à evidência, era ficta, ou, valendo-me de outra expressão de Eric Voeglin, era uma “segunda realidade” (um “mundo como ideia”, diria o poeta Bruno Tolentino).

Tome-se a palavra feto, por exemplo. No vocabulário dos fundamentalistas do Palácio, essa palavra designa algo que se desenvolve no ventre de uma mulher e que, a depender da lúcida compreensão de conspícuos magistrados, será chamado de “pessoa” quando vier à luz, especialmente se o for de modo saudável. Nessa perspectiva, a palavra aborto ganha especial significado no vocabulário fundamentalista. A interrupção da gestação de um feto, que, por qualquer razão, os fundamentalistas do Palácio consideram não merecer a designação de pessoa, chama-se “antecipação terapêutica do parto”. Sobre o ser pessoa, então, os fundamentalistas dispõem de um arsenal de definições, todas muito bem exemplificadas do ponto de vista do direito patrimonial; sempre, porém, com aquela ressalva expressa de que o nascituro, para ser pessoa, precisa vir à luz com “vida”: precisa deixar de ser alguma coisa no ventre da mãe.

Mas nem só de desconstruir o sentido das palavras vivem os fundamentalistas do Palácio. Eles cultivam, com igual afã, a nobre arte de esvaziar o sentido das palavras, relativizando-as a ponto de já não significarem nada; ali permanecem moribundas, um flatus vocis. Refiro-me, especialmente, ao vocábulo composto “ser humano”, praticamente caído em desuso, feito arcaísmo. Modernamente, o vocábulo correto seria pessoa, ou seja, coisa que, saída do útero de mulher de modo saudável, tornou-se “alguém”.

E nem se diga sobre o destino de palavras como “fé”, “Deus”, “Cristo”, “caridade”, “vida”... Ah, sim!, os fundamentalistas são kantianos: de um lado a razão (a ciência, o racional, a objetividade), de outro a fé (a superstição, o irracional, o puramente subjetivo). Não é preciso dizer que, nesse particular, o argumento dos fundamentalistas beira ao deboche: “O Estado é laico!”, bradou aquele relator de pronúncia amaneirada. Por Deus! Do que esse homem estava falando? Quem é esse Estado que é laico? Quem é esse Estado senão o conjunto de seres humanos nascidos de mulher, feitos à imagem do Criador? Que é a vida humana senão o sopro do Criador?

O sopro do Criador é a centelha divina sem a qual somos apenas pó, sopro esse que se renova todas as vezes que o milagre da vida acontece, exatamente no instante em que, no ventre da mulher, o espermatozoide fecunda o óvulo. Isso é a realidade. Isso era o único fato objetivo sobre o qual deveriam decidir, mas que os fundamentalistas, porque habitam uma segunda realidade, desprezaram: os fundamentalistas são cegos por opção.

E quando o debate público já não encontra fundamento na realidade, quando a discussão não passa de mero produto verbal sem contato com o chão duro da experiência concreta, entramos no reino da loucura, onde tudo conta, menos o real. Se nem a presença de uma menina anencéfala de dois anos de idade, levada pela mãe diante dos olhos dos Ministros do Supremo, foi suficiente para demonstrar a inconsistência de tudo que ali se afirmava, então definitivamente aquela corte é um hospício.






Márcio Luís Chila Freyesleben é procurador de Justiça do Ministério Público de Minas Gerais.

quarta-feira, 11 de abril de 2012

Sempre que o homem desobedece a Deus, o Senhor julga o pecado e, então, Sua graça oferece um recomeço. Gênesis. 11:1-9

Extrutura
1]) 11:1-9 Deus impede uma revolta

2) vv.1-4 Rebelião - "Não sejamos espalhados..."

3) vv.5-9 A reação de Deus – “Deus jamais fica perplexo". Ele não se admira, pois Ele sabe tudo de antemão. Ele, tão somente, permite, dá liberdade ao homem. E o limite que Ele tolera é que o propósito dEle ("encher a terra") não seja prejudicado ou impedido.

v.4 A Lei do Grande Impulso: A torre de Babel – O impulso é o melhor amigo do líder: Unidade de visão de linguagem e de esforço entre o povo de Babel proporcionou uma extraordinária oportunidade. Infelizmente, usaram a Grande Oportunidade para seguir em sue próprio caminho. Como resultado, deus paralisou a oportunidade deles, confundindo a linguagem e espalhando-os pelos quatro ventos da terra.
 v. 6 "Um só Povo” - este povo tinha vários elementos a seu favor. eram"uma espécie de nações unidas” que falavam a mesma língua e usavam um único vocabulário. era motivado por um só espírito de orgulho e pelo desejo instigante de se tornar célebre. A única coisa que lhe faltava era a aprovação de Deus.
 v.7 a resposta de Deus: "Desçamos e Confundamos" - "Ri-se Aquele que habita nos céus; o Senhor zomba deles”. Sl.2:4
 v.9 -"Chamou-se-lhe, por isso, o nome de Babel. - Por vezes Deus usa a confusão pra fazer com que as pessoas retornem e se limitem à sua realidade e à sua pequenez e para impedí-las de se unirem contra a vontade Dele
 Contexto: Literário
 
Contexto Geográfico: Planície de Sinear – A terra de Senear foi identificada como bacia dos rios Tigre e Eufrates, onde civilizações antigas, como a a Babilônia, construíram pirâmides em degraus  conhecidas como zigurates. Gn. 11:3,4, 8
 Teologia Bíblica: Deus reage. Isto é, Ele é agente e reagente, sempre conforme o Seu propósito. E nunca deixa prevalecer, mas, corrige o erro humano.
 Aplicação:
 As pessoas do mundo dependem de sua própria sabedoria e de seus próprios esforços e, ainda assim, não conseguem criar um nome que permaneça.
 - O homem quando depende apenas de sua própria sabedoria e de seu próprio esforço e sem se preocupar em saber a vontade e propósito Divinos, não consegue edificar uma obra grandiosa, útil, positiva e, logo, nem um nome (fama) que permaneça.
 Quem conhece um nome de alguém que tenha trabalhado na famosa torre de babel? Quem sabe o nome do líder?
- Contudo, os homens que não se preocuparam em engrandecer o seu próprio nome, mas que, humildes, agiram obedecendo a vontade e o propósito Divinos, para engrandecer o Nome de Deus, realizaram obra que permaneceu e prevaleceu e que perpetuou o nome deles na humanidade. Foi o caso de Abraão, Noé, Davi, Salomão, etc. Abraão é conhecido ao redor do mundo reverenciado por judeus, muçulmanos e cristãos.
Há uma enorme diferença entre a humanidade dizer: "tornemos célebre nosso nome!" e Deus dizer: "Te engrandecerei o nome!".
"A união faz a força", diz o ditado. E é verdade. O homem é um ser social. Deus quer que os homens se entendam e se unam, em paz e prosperidade social. Mas a união faz o homem se sentir mais forte e mais ousado, mormente para fazer coisas erradas.
 Veja um caso bem atual. É o caso das torcidas organizadas. Um torcedor sozinho talvez seja totalmente inofensivo. Mas a formação de "gangue" anima as pessoas a fazerem coisas más. Isto é próprio da natureza humana. Daí o esforço do MP Ministério Público de SP em proibir o acesso das torcidas organizadas aos estádios. Inclusive o Código Penal, art 288, condena a formação de quadrilha.
 O homem é um ser naturalmente social. Deus quer que os homens se unam, mas para fazer coisas boas. Ele escolheu um povo, os judeus, e depois a Igreja, para unidos fazerem a vontade de Deus e fazerem Missões Mundiais ("e em ti serão benditas todas as famílias da terra.", Gn 12.3; "ser-me-eis testemunha tanto em Jerusalém...", At.1.8).
 Um crente sozinho, talvez uma igreja sozinha, não pode enviar e sustentar um missionário. Mas vários crentes, várias igrejas unidas podem. Se uma igreja local cumpre o propósito Divino, ela prospera. Se não cumpre, Deus pode agir sobre ela de forma drástica, seja dividindo-a ou até extinguindo-a, espalhando os seus membros por outras igrejas.
 Um outro fato possível de se citar é a divisão do Cristianismo entre várias denominações e até várias Igrejas diferentes dentro de uma mesma denominação. Cada uma tem suas particularidades. Cada uma atrai a simpatia de certo tipo de pessoa. Há quem goste de cultos mais animados, outros mais conservadores e solenes, etc. Outro detalhe, é que cada denominação / igreja tem uma visão e ação diferentes. Uma é mais missionária urbana. Outra em missões nacionais e mundiais. Outra é mais ligada à ortodoxia doutrinária. Outra atinge a população mais pobre. Outra a mais rica. Outra a mais culta. E, Etc.
 A chamada história primitiva de Gênesis termina com a torre de Babel e a diáspora da humanidade por toda a terra. Os capítulos finais do livro (do 12 ao 50) dedicam-se à história dos ancestrais de Israel, divididos em três segmentos: Abrão (e a figura transitória de Isaac, Jacó) e José e seus três irmãos – os progenitores das 12 tribos de Israel. Mais uma vez, a genealogia assinala a quebra entre as narrativas; as dez gerações de Noé a Abraão (ou Abrão) repetindo as dez gerações de Adão a Noé.
 À primeira vista, o incidente da torre de Babel parece retratar um deus irado pronto a punir o povo por causa da desobediência. Mas a questão envolvia muito mais do que isso. Na verdade, deus estava implementando um plano chamado “dividir e conquistar”. Em Gênesis 11, o Senhor dividiu as pessoas em muitos grupos de linguagem. Em gênesis 13, escolheu um desses grupos e fez aliança com um dos seus membros. Deus falou a Abraão e prometeu abençoá-lo e, através dele, abençoar todas as famílias da terra. Por causa dessa aliança, Abraão tornou-se o pai do povo hebreu.
 É importante observar como deus propôs seu plano. Disse a Abrão que o abençoaria, juntamente com os seus rebanhos, a terra, a família e o nome. Deus falou com Abrão de coração para coração, revelando-lhe as bênçãos que  usufruiria através da aliança. E Abrão não foi resistente: Aceitou a proposta de Deus.
 Enquanto Abrão podia ter decidido obedecer a Deus simplesmente porque Ele é Deus, o Senhor fez o esforço de, primeiramente, efetuar ligação com Abrão. Deus tocou o coração de Abrão antes de pedir a mão dele. E você tem recebido o toque de Deus em seu coração? Pense nisso!

Forte Abraço e até breve.