Google+ Badge

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

IGREJA COM PROPÓSITO


 Recebi o texto abaixo de um amigo, coisa que já vinha desconfiado há tempos, achei interessante então o publico aqui, pelo fato de muito consideração por quem fez o referido comentário. É interessante que você o leia desarmado de seus preconceitos, faça a analogia necessária destes últimos acontecimentos eclessiológicos.

Boa leitura, ah! e não se esqueça de deixar seu comentário a respeito, deixo-vos o meu muito obrigado.



Estimado irmão Ivo,

Eu sou um dos "dinossauros".
Nunca assisti a nenhum congresso dos tais crescimentos de igrejas, porque nunca cri neles.
Ñada do que agora se comprova, me chega como novidade. Eu já esperava por isto.
Não imaginava que tais notícias chegasse em minha geração.
Sigo vivo, para poder constatar o que eu já sabia. Isto é presente de Deus para mim.
Sem presunção, mas humilde, sigo crendo que Deus cuida e cuidará de sua igreja.
Dólares ou estratégias não constam nos planos de Deus, estes são encontrados como os vemos nas páginas sagradas, imutáveis.

abraços
pastor Vieira Rocha


Igreja de Wilow Creek admite seu erro
Por favor, peço que leiam cuidadosamente todo esse texto que foi produzido baseado em declarações da própria igreja fundadora do movimento.
Depois de ter participado de alguns cursos de Rede Ministerial e de Propósitos e de ter lido (e comprado) alguns de seus livros, inclusive de ter sido eu mesmo um facilitador do curso de Rede Ministerial em minha cidade e ter sido membro de uma igreja que aderiu a esse movimento, comecei a perceber que esse modelo, apesar de toda a roupagem cristã, não se sustentava biblicamente. Rede Ministerial e Igreja com Propósitos são modelos de crescimento de igrejas bastante semelhantes, e que apesar de possuírem terminologias diferentes para alguns elementos de seus programas, ambas, infelizmente, têm em comum a teologia contemporânea, marcada pelo pragmatismo e mundanismo. Um brado comum em seus cultos é para que seus membros escapem da "religiosidade"( tradicional, litúrgica, normativa) para viverem uma vida cristã autêntica; tenho questionado o que realmente é essa "vida cristã autêntica" ensinada nessas igrejas que aderiram a tais movimentos. 
Bem, abaixo segue uma avaliação surpreendente do modelo de Rede Ministerial feito pela própria Willow Creek (que não é diferente do "movimento de propósitos", de Rick Warren). Espero sinceramente que cada um de vocês leia esse texto desarmado daquele "espírito" apaixonado, da paixão sem razão, do fanatismo acrítico de tal movimento, e tirem suas próprias conclusões à luz do que as Escrituras realmente ensinam.
Nenhuma boa intenção pode ser realmente boa, se não estiver de acordo com a vontade de Deus. E a minha conclusão sobre esses movimentos, é que apesar de toda boa intenção, procuram fazer a obra de Deus baseados na força, na inteligência e na vontade do homem.
P.S. E-mail original do Sola Scriptura (http://www.solascriptura-tt.org/) e repassado com essa nota a todos os meus contatos, a fim de que alguns que estão envolvidos com o MCI possam refletir seriamente se devem continuar fazendo parte de tal movimento.
(Os destaques em negrito no texto são meus). L. Hérbet.
Igreja de Wilow Creek admite seu erro
Uma "Confissão" Chocante da Igreja da Comunidade Willow Creek  Bob Burney
Se você tem mais de 40 anos, o nome de Benjamin Spock é mais do que familiar. Foi Spock quem disse a toda uma geração de pais para não se importar, não disciplinar seus filhos e permitir que eles se expressem. A disciplina, ele nos disse, iria danificar o frágil ego da criança. Milhões seguiram este guru do desenvolvimento infantil e ele se manteve incontestado entre os profissionais da educação infantil. Contudo, antes de sua morte, o Dr. Spock fez uma surpreendente descoberta: ele estava errado. De fato, ele disse:
"Criamos uma geração de crianças mal-educadas. Os pais não são firmes o bastante com seus filhos, por medo de perder o seu amor ou ficar sujeitos ao seu ressentimento. Esta é uma provação que nós, profissionais, impusemos sobre mães e pais. É claro, fizemos isso com a melhor das intenções. Não compreendemos até que fosse tarde demais que a nossa atitude de "sabe-tudo" estava solapando a auto-confiança dos pais."
Esta é uma declaração e tanto!
Algo de importância comparável a isto, em minha opinião, acaba de ocorrer na comunidade evangélica. Por mais de uma geração os evangélicos tem estado flertando com o movimento "sensível aos que buscam", disseminado pela Igreja da Comunidade de Willow Creek em Chicago. O guru deste movimento foi Bill Hybels. Ele e outros estiveram nos dizendo por décadas para jogarmos fora tudo o que anteriormente pensávamos e que fora nos ensinado a respeito de crescimento da igreja e substituir tudo por um novo paradigma, uma nova forma de ministério.
Talvez de forma irrefletida, juntamente com esta "nova onda" de ministério veio uma redução da importância de assumir a responsabilidade pessoal pelo estudo da Bíblia, combinada com uma ênfase em "programas" baseados em necessidades pessoais e marketing barato.
O tamanho da multidão, em vez da profundidade de coração determinava o sucesso. Se a multidão era grande, então com certeza Deus estava abençoando o ministério. As igrejas eram construídas por estrategistas profissionais, com base em estudos demográficos, pesquisas de mercado, indo de encontro a "necessidades pessoais" e sermões consistentes com essas técnicas. Nos disseram que a pregação estava em baixa, a relevância estava em alta. A doutrina não importava, nem de perto, tanto quanto a inovação. Se [uma idéia] não fosse o "estado-da-arte" e amigável ao usuário, estava condenada. A menção a pecado, salvação e santificação eram tabus e foram substituídas por lojas de café, estratégia e sensibilidade.
Milhares de pastores ficavam embevecidos com cada palavra que emanava dos lábios dos especialistas em crescimento de igrejas. Seminários satélite estavam lotados com líderes eclesiásticos famintos por aprender o último método para "fazer igrejas". A promessa era clara: milhares de pessoas e milhões de dólares não podem estar errados. Esqueça o que as pessoas precisam, dê a elas o que elas querem. Como argumentar com os números? Se você ousasse desafiar os "especialistas" seria imediatamente rotulado como um "tradicionalista" , um antiquado dos anos 50, um dinossauro teimoso, que não está disposto a mudar com a nova época.
Tudo isso mudou recentemente.
A igreja de Willow Creek divulgou os resultados de um estudo de vários anos acerca da eficácia de seus programas e de sua filosofia de ministério. As descobertas do estudo estão em um novo livro intitulado "Revelação: Onde Está Você?", co-escrito por Cally Parkinson e Greg Hawkins, pastor executivo da Igreja da Comunidade Willow Creek. O próprio Hybels disse que as descobertas [resultantes deste relatório] seriam "de fazer a terra balançar" "de fazer o chão se abrir" e "de explodir a mente". E não é de se admirar: parece que os "especialistas" estavam errados.
O relatório revela que a maioria das coisas que eles fizerem por todos estes anos e o que eles ensinaram a milhões de outros [pastores e líderes eclesiásticos] a fazer não estava produzindo discípulos fortes para Jesus Cristo. Números sim, mas não discípulos. E fica pior. Hybels lamenta:
"Algumas das coisas nas quais investimos milhões de dólares, pensando que realmente ajudariam nosso povo a crescer e a se desenvolver espiritualmente, quando os dados realmente chegaram [vimos que] não estavam ajudando as pessoas tanto assim. Outras coisas nas quais não investimos tanto dinheiro e não designamos tantas pessoas, são as coisas pelas quais nosso povo está clamando ."
Se você quer simplesmente uma multidão, o modelo "sensível aos que buscam" produz resultados. Se você quer seguidores de Cristo sólidos, sinceros, maduros, [este método] é um engodo . Em uma confissão chocante, Hybels afirma:
"Cometemos um erro. O que deveríamos ter feito quando as pessoas cruzavam a linha da fé e se tornavam cristãos [é que] deveríamos ter começado a dizer e ensinar às pessoas a assumir a responsabilidade de alimentarem a si mesmas. Deveríamos ter feito as pessoas entender, ter ensinado a essas pessoas como ler as suas Bíblias entre os cultos, como realizarem práticas espirituais por si próprias, de uma forma muito mais agressiva."
Incrivelmente, o guru do crescimento da igreja agora nos diz que as pessoas precisam ler as suas Bíblias e assumir a responsabilidade por seu crescimento espiritual.
Assim como o "engano" de Spock não foi um erro insignificante, da mesma forma o erro do movimento "sensível aos que buscam" é monumental em sua abrangência. Descobre-se agora que o alicerce de milhares de igrejas americanas é simplesmente areia. O indivíduo que talvez exerça a maior influência sobre a igreja americana em nossa geração admitiu agora que a sua filosofia de ministério foi, em grande parte, um "erro".  A extensão deste erro desafia nossa capacidade de mensurá-la.
Talvez a coisa mais chocante de todas nesta revelação que vem da igreja de Willow Creek é a declaração resumida por Greg Hawkins:
"Nosso sonho é que alteremos de maneira fundamental a forma de fazer a igreja. Que tomemos uma folha de papel em branco e repensemos todas as nossas antigas suposições. Substituí-las por novas visões. Visões que estejam embasadas pela pesquisa e enraizadas nas Escrituras. Nosso sonho é realmente descobrir o que Deus está fazendo e como Ele está nos pedindo para transformar este planeta."
Não foi isso que nos falaram quando toda essa coisa de "sensível aos que buscam" começou? Os gurus do crescimento da igreja querem mais uma vez jogar fora suas antigas suposições e "tomar uma folha de papel em branco" e presumivelmente, descobrir um novo paradigma para o ministério.
Isto deveria nos encorajar?
Por favor, note que "enraizadas nas Escrituras" ainda segue-se a "repensar", novas visões" e "embasadas pela pesquisa". Alguém, ao que parece, pode ainda não ter compreendido. A menos que haja um retorno aos princípios bíblicos simples (e relevantes), um novo esquema falho substituirá o existente e outra geração seguirá o último toque da flauta.
O que deveríamos considerar como encorajador, pelo menos, nesta "confissão" vinda dos mais altos níveis da Associação de Willow Creek é que eles estão chegando à compreensão de que seu atual "modelo" não ajuda as pessoas a crescer e se tornarem seguidores maduros de Jesus Cristo. Devido à massiva influência que esta organização tem sobre a igreja americana de hoje, oremos para que Deus se agrade em estabelecer estruturas na igreja de Willow Creek que não promovam apenas crescimento numérico, mas sim crescimento em graça.