Google+ Badge

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

SÍNTESE DO HISTÓRICO DA IGREJA ATUAL


A formação dos principais segmentos do Cristianismo
(Fonte: O Novo Comentário Bíblico do Novo Testamento-EarlD.R; Roanld b. Alelen; H.W House)
Adaptado por: Pr. J.Lopes

A Igreja como a conhecemos hoje foi formada de três ramificações; ortodoxa, católica e protestante.

Esse três segmentos do crisntianismo foram desenvolvidos ao longo de quinze séculos. A Igreja Cristã dos primeiros séculos era estruturalemnte unificada e ainda nãodividida em três, conforme a conhecemos hoje.

Somente pelos acontecimentos dos séculos seguintes estas particulares designações começaram a surgir.

A Igreja primitiva possuía centros espalhados por todo o império romano, cada um presidido por um bispo que conduzia as atividades da Igreja em sua própria região. Os prinicipais centros do segundo século eram Jerusalém, Antioquia, Alexandria, Éfeso e Roma.

A influência de Éfeso decaiu, e a influência de Jesrusalém após a destruição de 70 d.C se reduziu tragicamente levando  apaganização de Israel pelos romanos depois da revolta de Bar Kohba em 135 a.C. Antes do sexto século, não existia bispo algum visto como superintendente de toda a Igreja de Cristo no império; em vez disso, havia cinco patriarcas independentes que partilhavam, equânimes, a supeervisão.

No entanto, o bispo de Roma Gregório Magno começou a ser reconhecido como o principal de todos. Com base nisso, tem-se que a formação da Igreja Católica Romana pode ter sido assinalada no final do sexto século. Enquanto isso, a Igreja Oriental desfrutava de considerável independência de roma e acabou sendo conhecido como a Igreja Ortodoxa. O seu líder era o bispo de Constantinopla, a capital oriental do império romano.

BREVE ANÁLISE SOBRE O HISTÓRICO DA IGREJA PROTESTANTE

PERÍODO
PESSOAS
EVENTOS
FATORES






ANTIGO – IGREJA PRIMITIVA (30 -100)




Os apóstolos; Clemente de Roma (30-100); Papias 60-130; Policarpo (69-160); Inácio de Antioquia- falecidoem (117); Hermas – falecido em (140)
Dia de Pentecostes (30); conversão de Paulo (35); Concílio de jerudalém (49); martírio de Paulo e Pedro (67); destruição de Jerudalém (70); primeira grande perseguição pelo imperador Domiciano (90-96; morte do apóstolo João (100)



Descida do Espírito Santo; Escritura dos livros do Novo Testamento; judeus e gentios se unem na Igreja; gnosticismo primitivo






IGREJA EMERGENTE (100-325)
Justino, o Mártir(100-165);Taciano(110-172);Irineu(130-200);Teófilo(falecido em 181) Clemente de Alexandria(159-2150;Tertuliano(150-220):hipólito(170-246);Orígens(185-254);Ário(250-336);Eusébio de Cesáréia(263-339); Atanásio(296-373);Apolinário(310-390);Alexandre de Alexandria (falecido em 328)
Primeira perseguição universal sob o imperador Décio(250);as igrejas começaram a adquirir imóveis para suas reuniões; constantino derrota Magêncio sob o sgno da cruz(312); Édito de Milão legaliza o cristianismo (313); o cristianismo toran-se a religião oficial do império(321);concílio eclesiástico em Nicéia(325)





Esclarecimento das doutrinas da Trindade e da divindade de Jesus Cristo
IGREJA CONQUISTADORA (325-600)
Hilário Poitiers(315-368);Cirilo de Jerusalém(315-386);Constantino I(falecido em 227); GregóriodeNazianzo(330-389);Gregório de Nissa(331-395);Basílio Magno(339-379);Ambrósio de Milão(340-397) Cirilo de Alexandria(376-444); João Crisóstomo(345-407);Jerônimo(345-420);Agostinho de Hipona (354-430);Pelágio(360-420);João Cassiano(360-435);Nestório(falecido em 451);patrício(387-461); Leão I (falecido em 461) Gregório Magno (540-604)




Construção de Constantinopla; concílios de Constantinopla (381 e 553) concílio de Éfeso (431); concílio de Calcedônia (451)


Heresias do: macedonismo, nestorianismo, apolinarianismo, monotelitismo, monofisismo, eutiquianismo, pelagianismo, ensinamentos de Agostinho sobre o pecado e predestinação; identificação da Igreja com o Estado
MEDIEVAL – Ascendência da Igreja romana (600-1300)
Máximo, o Confessor(580-662);Beda(673-735);Bonifácio(680-754);João Damasceno(676-754);Carlos Magno(747-814);Godescalco(falecido em 868) Anselmo(1033-1109);Pedro Abelardo(1079-1142); Bernardo de Clairvaux(1090-1153); Francisco de Assis (1181-12260; tmás de Aquino(1225-1274;John Duns Scot(1265-1308: William de Ockham (1285-1349)
Controvérsia iconoclasta; desenvolvimento do estilo de vida monástico;conversão de povos europeus; concílio de Nicéia (787); cisma entre Igreja ocidental e a oriental; reforma do papado (século XI0; INQUISIÇÃO
Deupla predestinação (Godescalco); era da Escolástica; emprego de ícones; passagem do pensamento platônico ao aristotélico; teologia natural de Tomás de Aquino
IGREJA DA REFORMA (1300-1550)
John Wycliffe(1329-1384); João Huss(1370-1415); Martinho Lutero (1483-1546); Uldrych Zwingli (1484-1531); Johann Maier de Eck (1486- 1543); William Tyndale (149—1536); Menno simons(1496-1561); Felipe Melâncton (1497-1560); Felix Manz(1498-1527); João calvino (1509-1564);John Knox (1513-1572);Jacobus Arminius(1560-1509)



Surgimento de grupos pré-Reforma como os valdenses e lollardistas; reforma na alemanha, suíça e Holanda; contrareforma ; Concílio de Trento




Nacionalismo; sacerdócio dos crentes; justificação apenas pela fé; afirmação da autoridade da Escritura.
MODERNA – Igreja denominacional (1550-1800)
John Cotton(1585-1652) Oliver Cromwell(1599-1658); John Milton (1608-1674) ; John Bunyan(1628-1688) ; George Fox (1624-1691); William Penn(1644-1718); Matthew Henry(1662-1714); Jonathan Edwards(1703-1758); John Wesley (1703-1791); George Whitefield(1714-1770); Frances Asbury (1745-1816); Timothy Dwight(1752-1817); William wilberforce(1759-18830; William Carey(1761-1834);Aelxander Campbell(1788-1866)




Sínodo de Dort; Guerra Civil Inglesa; migração puritana; ascensão do metodismo; o Grande Despertamento; início do movimento das missões modernas.




Divisão teológica calvinista/arminianista;socinianismo; idéias ilu,imistas; governo republicano nos Estados Unidos; ceticismo.
IGREJA GLOBAL -(1800- Atual)
Charles G. Finney(1792-1875); John Darby (1800-1882); George Mueller(1805-1898); William Booth(1829-1912); J. Hudson Taylor (1832-1905); Charles H. Spurgeon (1834-1892); Dwight L. Moody (1837-1899) C.S. Lewis 91898-1963);Billy Graham (nascido em 1918); Martin Luther King Jr. (1929-1968).

Cisma nas denominações americanas devido à Guerra Civil; ascensão do mormonismo,Testemunhas de Jeová, Ciência Cristã; movimento ecumênico; Conselho Mundial de Igrejas; Associação Nacional de Evangélicos, cruzadas evangelisitcas em massa.


Liberalismo teológico, pentecostalismo, fundamentalismo, neo-ortodoxia, ascensão das religiões orientais da Nova Era, ressurgimento evangélico.

O ramo protestante do cristianismo separou-se da Igreja católica romana no século XVI, depois da Reforma liderda por Martinho Lutero. A reforma, que dava ênfase à Escritura e minimizava a tradição como o padrão da doutrina eclesiástica, concluiu um separação de Roma que ahvia sido iniciada por cristãos dissidentes desde o século XIII.

MOTIVOS HISTÓRICOS QUE ANTECEDERAM A REFORMA PROTESTANTE

HERESIAS: As contradições doutrinárias na Igreja cristã quase ao mesmo tempo que foi fundada. Os apóstolos contendiam com falsos ensinamentos sobre os requesitos para se ser justo perante Deus (legalismo) e sobre a natureza do corpo físico de Cristo e da própria realidade (formas primitivas do gnosticismo).

Entre o primeiro século e a era atual, surgiram diversas heresias; os ebionitas negavam a real divindade de Cristo, assim como os monarquianistas dinamicos e os arianistas; os modalistas negavam a Trindade; os eutiquianos e os nestorianos não aceitavam a doutrina da pessoa de Cristo em Sua natureza humana. Estes são apenas alguns dos erros mais conhecidos, muitos dos quas se encontram em seitas conteporâneas.

Outras heresias tratavam do problema do pecado humano (pelagianismo) e da natureza da expiação. A heresia teve sim o resultado positivo de forçar a igreja a definir mais claramente a doutrina bíblica ortodoxa, que se expressou, em boa parte, em vários credos.

AS PERSEGUIÇÕES:A Igreja primitiva passou por dez tipos d eperseguições. As perseguições mais cruéis e difundidas foram a de Cominiciano no fianl do Século I (90-96), a de Décio (249-51) em meio à celebração do milésimo aniversário da fundação de Roma, na qual existiu uma grande pressão para se voltar às religiões antigas; e, fianlmente, a mais severa de todas; a perseguição de Diocleciano(303 -311) mas a Igreja superou estas tribulações e fortaleceu-se ainda mais.

CONSTANTINO: Após a perseguição de Diocleciano, um imperdor que sucedeu, Constantino, tornou-se cristão. Ele começou a usar a máquina de seu governo romano para fotalecer a fé a que se convertera, e por fim declarou o cristianismo a religião oficial do império. A mãe de Constantino, Helena, que também era cristã, ouviu falar da desatenção a muitos dos locais bíblicos na Terra Santa, e viajou até lá para garantir a sua proteção por meio da construção de santuários, alguns dos quias se situam aaixo de igrejas antigas. Constantino foi crucial na pregação da afirmação da divindade de Cristo no Concílio de Nicéia, conforme express pelo Credo de Nicéia.

MAOMÉ: No século VII, um árabe chamado Maomé alegou ter recebido revelaç~eos de Deus, que com o tempo originaram o Corão e a fé islâmica. Maomé alegou que sua fé era a revelação fianl de Deus, embora reconhecesse a validade de revelações anteriores concedidas a Moisés e a Jesus, os quais considerava grandes profetas. Ele fez valer essa nova fé por meio da espada, e por fim, acabou conquistando diversas terras qeu já haviam sido cristãs. Esses acontecimentos acabaram originando as Cruzadas, que duraram do século IX ao XIII.

AS CRUZADAS: Um movimento par libertar a Terra Santa dos conquistadores muçulmanos iniciou-se no século XI. A primeira cruzada conseguiu capturar as principais cidades da Ásia Menor e a cidade de Jerusalém. Depois dessas, aconteceram diversas outras que, no fim, não obtiveram êxitos duradouros. Para atrair soldados para essas cruzadas, oferecia-se aos candidatos a alistamento a entrada direta no céu caso morressem, ou perdão de dividas e a insenção dos impostos caso vivessem.

A REFORMA: O segmento romano da Igreja desfrutava de influência irrestrita no ocidente desde o século VI até a Reforma do Século XVI, que buscava restaurar a antiga fé dos primeiros séculos. Os centros da Reforma foram a Alemanha, com Martinho Lutero; a Suiça, com João Calvino e Uldrych Zwingli; e a Escócia, com Hohn Knox.

COMO O CRISTIANISMO INFLUENCIOU A HISTÓRIA SECULAR.

Como seria a vida se Cristo não tivesso vindo e o cristianismo não tivesso se espalhado pelo mundo?
Provavelmente eria muito diferente. Embora a Gre´cia tenah dado á civilização ocidental grande contribuição na arte, na filosofia ena literatura, e Roma tenha dado legislação e governo, foi a visão de mundo cristã qeu deu ensejo á ciência moderna, ao empenho em amenizar a pobreza, á educação universal e aos ideais de igauldade e liberdade consagrdos nos documentos de tantos governos.

O Deus da ordem e da beleza deu ensejo á visão de que a natureza era previsível e ordenada. A crença cristã de que toda a humanidade foi criada por Deus serviu como alicerce à verdade axiomática da vida, da liberdade e da busca pela felicidade. Como as pessoas foram criadas á imagem de Deus, são valiosas independentementte de sua situação na vida, riqueza ou utilidade à sociedade. Ajudam-se, educam-se e protegem-se simplesmente porque foram feitas à imagem de Deus. A perda desses ideais cristãos certamente seria um trágico prejuízo ao bem-estar da humanidade.

Pr. José Lopes de Oliveira
Miss da JMN/CBB

Nenhum comentário:

Postar um comentário